Eh!Filmes

#Fica a Dica! por Elisa Tolomelli | Anne with an e

A #dica de hoje é uma série muito amada e, de fato, encantadora. Desconheço quem não se apaixonou pela ruivinha Anne já no piloto da série – e atenção: ter um bom, aliás, excelente piloto é fundamental para a fidelização do espectador e sucesso deste formato de produto audiovisual.

A minha #2ª dica é:

ANNE WITH AN E (Canadá, 2017) – Disponível na NETFLIX

Criada por Moira Walley-Beckett

Sinopse: Neste filme baseado no livro “Anne de Green Gables”, uma impetuosa órfã é adotada por engano por um casal de irmãos solteirões do interior.

 

Esta não é a primeira adaptação da famosa obra literária de Lucy Maud Montgomery, considerada um dos maiores clássicos da literatura canadense, mas sem dúvida é a mais popular.

Com um piloto atípico de 88 minutos, quase um longa-metragem, somos apresentados à Anne, uma menina órfã que viaja para encontrar seus novos pais adotivos. Acostumada a usar a imaginação e a literatura para fugir de sua dura realidade, a menina se encanta com a linda paisagem a caminho da fazenda de Green Gables, onde será seu novo lar, e parece ser o primeiro momento de felicidade real em sua vida, o que é muito emocionante.

Não vou entrar em detalhes pois não quero dar spoiler, mas Anne, logo de cara, precisa enfrentar o machismo e provar aos irmãos que a adotaram que é tão capaz de realizar as tarefas da fazenda como qualquer menino. E assim, de forma leve e comovente, a série toca em diversos assuntos sociais fundamentais: feminismo, bullying, racismo, homossexualidade, pertencimento, aceitação, a importância do afeto no cuidado de crianças (que hoje parece óbvio, mas nem sempre foi assim)… isso tudo em 1890. Uma tarefa difícil, certo?

A paixão está em cada detalhe da série – desde a encantadora abertura, baseada em oito pinturas sensacionais do artista Brad Kunkle e dirigida por Allan Willians, do Studio Imaginary Forces, famoso pela criação da abertura de Stranger Things e Mad Man (para saber mais, clique aqui); passando pela reconstrução detalhada da época e a incrível direção de fotografia; até a escolha dos títulos de cada episódios, que são citações de Jane Eyre (1847), escrito por Charlotte Brontë, o livro preferido de Anne.

Como produtora, acredito que houve uma grande preocupação dos realizadores na escolha da protagonista, pois apesar de trazer muitos personagens interessantes, Anne é a alma da série. E não é um papel fácil. Romântica, inquieta, faladeira e, às vezes, irritante, o papel da ruivinha foi disputado por aproximadamente 1800 meninas em três continentes. Amybeth McNulty, atriz irlando-canadense, foi a escolhida. Ao contrário do que muitos pensam, ela não é ruiva e não tem sardas – parabéns à equipe de caracterização!!

Uma questão interessante de produção é o fato de que as fazendas e ilhas citadas nos livros e nas séries são baseadas em locações reais. A província da Ilha do Príncipe Eduardo e a fazenda Green Gables tornaram-se grandes pontos turísticos no Canadá devido ao sucesso do livro, sendo até hoje visitados por fãs. Entretanto, a maior parte da série da CBC/Netflix é filmada em Ontario, tendo poucas cenas gravadas nesses locais, devido ao grande valor cobrado para locação dos espaços. Essa é uma prática comum no mercado audiovisual. Geralmente o custo/benefício da reprodução de cenários é mais interessante, não só pelo valor da própria locação, mas todos os serviços que envolve – hospedagem, alimentação, transporte, etc.

Infelizmente, a produção foi cancelada e a NETFLIX anunciou a 3ª temporada como última da série com o argumento de baixa audiência. Muitos fãs se mobilizaram, criaram petições e até protestaram na Times Square, utilizando um outdoor na avenida principal da cidade (um dos mais caros do mundo), algo inédito para este propósito! “Pronto para lutar pelo que é certo?”, dizia o anúncio. A Disney+ demonstrou interesse em continuar a história, mas ainda não há nada confirmado.

Com uma abordagem muito delicada, personagens complexos e história de heroísmo feminino em um contexto que o protagonismo era ainda mais negado às mulheres, Anne With An E realiza com maestria esta difícil adaptação. Quanto mais popular uma obra literária, mais difícil a transposição para o audiovisual, pois mais exigentes sãos os fãs e mais expectativa se cria para a produção. E eu, como produtora, estaria extremamente realizada com essa demonstração de afeto do público! Esse é o maior sucesso que um trabalho pode ter!

 

Gostou do conteúdo?

Quer saber mais sobre Produção Audiovisual?

Conheça o meu canal no YouTube – tem vídeo novo toda 5ª feira!

Me siga nas redes sociais: Instagram Facebook

Para mais #fica a dica, fique ligado aqui no blog!

Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
lynda course free download
download karbonn firmware
Download Nulled WordPress Themes
lynda course free download